Adeus, Mãe Beata!

 

No sábado 27 de maio de 2017, tivemos a tristeza de perder a companhia da nossa querida ialorixá e guerreira, Mãe Beata de Yemonja.

Nascida em 1931 em Cachoeira de Paraguaçu (BA), bisneta de um nigeriano escravizado e sobrinha do babalorixá Anísio de Logum Edé, Beatriz Moreira da Costa (Beata, como era chamada) foi iniciada no candomblé, como filha de Iemanjá, por Mãe Olga de Alaketo.

Na década de 1960, Beata mudou-se para o Rio de Janeiro com seus filhos carnais. Foi empregada doméstica, artesã, esteticista, figurante de TV e costureira, atividade em que se aposentou. Paralelamente, continuou se dedicando à religião dos orixás, e, na década de 1980, fundou seu próprio terreiro, o Ilê Omiojuaro (Casa das Águas dos Olhos de Oxóssi), no município de Nova Iguaçu (RJ).

Além de trabalhar pela valorização das tradições religiosas de raiz africana, Mãe Beata batalhou pelos direitos das mulheres e de todo o povo afro-brasileiro, e pelo respeito à diversidade cultural e religiosa. Militou em movimentos sociais; foi presidente da Ong Criola e integrou o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher, o Projeto Ató Ire (Saúde dos Terreiros) e a Ong Viva Rio.

Graças aos projetos sociais e educativos promovidos por Mãe Beata, o Ilê Omiojuaro, em 2015, recebeu o prêmio de Patrimônio Cultural do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Apesar da tristeza que sua passagem causou, 86 anos de sabedoria. E, embora o Aiê chore, sabemos que hoje o Orum está em festa por ter recebido essa grande ancestral que de lá estará sempre olhando por nós.

Adeus e bem-vinda, Mãe Beata!

Mãe Beata de Iemanjá
Nascimento: 20 de janeiro de 1931, Cachoeira, Bahia
Falecimento: 27 de maio de 2017
Nome completo: Beatriz Moreira Costa

E-mail corporativo
Email: [email protected]
www.reidovudu.com.br
www.reidovudu.com
Telefone 0xx(34)99150-2401 CASO DE URGÊNCIA
Telefone Fixo do Templo 0xx(34)3662-3812

 

 

Login

Senha

Voltar